O Sindaen parabeniza os trabalhadores e as trabalhadoras do saneamento neste 1º de maio

A data se tornou um feriado internacional após trabalhadores da cidade de Chicago (EUA) irem às ruas se manifestar reivindicando direitos e melhores condições de trabalho, serem reprimidos pela policia e por milícias pagas pelos patrões no ano de 1886. Alguns trabalhadores foram presos e outros chegaram a ser mortos. Um grande movimento se iniciou depois disso, em solidariedade com a causa. Assim surgiu o 1º DE MAIO como DIA DE LUTA, simbolizando a luta por melhores condições de trabalho e salários dignos, não os famosos shows com artistas e outros assistencialismos.

Infelizmente, no momento os trabalhadores não têm o que comemorar neste dia, por conta da atual conjuntura do Brasil e do Mundo. A Sanepar, por exemplo, não quer conceder aumento real nos salários dos trabalhadores, apenas quer corrigir os salários baseando-se no INPC do período. O argumento não é válido, pois como uma empresa que lucrou R$ 626 milhões no ano de 2016 (bons resultados financeiros admitidos inclusive pelos próprios diretores e gestores). A Sanepar não valoriza seus trabalhadores, mas está gastando milhões em propaganda em meios de comunicação.

Na categoria dos professores do Estado do Paraná, no último dia 29 de abril completou dois anos do Massacre contra os Professores do Paraná e outros servidores públicos, comandado pelo Governador Beto Richa e o então Secretário Estadual de Segurança Pública, Fernando Francischini, quando os professores e demais servidores públicos do Estado protestavam contra o Confisco de suas previdências feito pelo Governo Richa e Deputados Estaduais.

No cenário nacional, a direita e forças conservadoras reacionárias retomaram seu projeto de poder ultraliberal , e aprovaram o PLC 4302/98, que regulamenta a terceirização em todas as atividades numa tentativa de acabar com o emprego formal (Carteira assinada) e assim se livrar das responsabilidades de pagar direitos essenciais, como férias, 13º salário, Plano de Saúde, Auxílio-alimentação, dentre outros benefícios e auxílios. Perderá com isso toda a sociedade, por que terceirização significa calote nos chamados encargos sociais e impostos necessários para que o Governo Federal mantenha benefícios essenciais para a população.

O governo e os parlamentares dos grandes grupos empresariais/transacionais criaram e estão conseguindo a aprovação no Congresso Nacional, 55 projetos de lei que têm por objetivo retirar direitos previstos na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e até na Constituição Federal, com a chamada “Reforma Trabalhista”. Querem acabar inclusive com o movimento sindical para estabelecer a livre negociação, sabendo que o trabalhador (lado mais fraco) não terá condições de se impor, nem opor aos interesses do patrão (lado mais forte).

O Governo Temer e o Congresso querem também aprovar a Reforma da Previdência, que aumenta de 35 para 49 anos o tempo de contribuição para se aposentar, numa intenção clara e visível do trabalhador pagar a conta de um suposto “rombo” na previdência.

Nós trabalhadores (as), devemos nos unir e lutar contra esse retrocesso. Vamos assegurar qualidade de vida a todos (as) os (as) trabalhadores, trabalhadoras e suas famílias. A luta e a resistência é sempre necessária.

Diretoria do Sindaen